Grupo Linguagens da identidade e da diferença

Grupo Linguagens da identidade e da diferença: classes, corporações, castas e raças

Coordinadora: Dra. Fátima Sá e Melo Ferreira (Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa – ISCTE, Lisboa)
e-mail: fatima.sa@iscte.pt

Sob este título geral pretendem-se identificar conceitos e linguagens que possam ter funcionado como marcadores de identidade e distinção social, étnica, política e territorial em diferentes regiões da Ibero-América de meados de setecentos até aos anos 70 do século XIX.

Parte-se do pressuposto de que no contexto dos impérios espanhol e português nas Américas a distinção social passava antes de mais pela distinção entre escravidão e liberdade e, dentro da população livre, pela hierarquia das cores e pelo usufruto de privilégios e isenções comuns ao ordenamento jurídico e social do Antigo Regime. Desse ordenamento corporativo, que incluía também distinções baseadas na origem geográfica europeia ou ultramarina, passar-se-á, com a crise dos impérios, a novas concepções da identidade e da diferença baseadas em dispositivos político-jurídicos inéditos de que as constituições serão elementos axiais. Às antigas categorias de distinção e hierarquia sobrepor-se-á o princípio da igualdade jurídica construído e expresso no conceito de cidadão.

O modo como no decurso desta transformação vão ser re-equacionados os conceitos e linguagens da distinção e da alteridade será um horizonte essencial deste projecto, como o serão, também, as formas de continuidade dos antigos marcadores identitários, e os desafios decorrentes da sua conformação com os novos dispositivos e conceitos políticos .